Google tradutor

Ricardo Eletro

Carta de um policial da CIPE

"PAPAI, O SENHOR NÃO ME DISSE QUE ERA POLICIAL MILITAR?
Essa foi a pergunta que mudou minha postura diante da greve da PMBA. Ao me preparar para assumir o serviço na ESPECIALIZADA na qual trabalho no dia de ontem, fui surpreendido pela indagação de meu filho de apenas 9anos, estudante do CPM, que me questionou sobre por que eu iria trabalhar, já que a imprensa noticia a greve da PM.
Ao tentar explicar a ele o porquê iria trabalhar ainda assim, ele me surpreendeu com outra pergunta que me fez refletir sobre a minha imagem diante da minha família e amigos. A imagem de HERÓI que um pai representa para seu filho e familiares estava arranhada quando ele me disse que escutou alguém falar que os PM´s que trabalham nas CIPES são traidores, e essa foi a pergunta dele “ você é traidor papai?”.
Esse fato mexeu com meu sentimento mais profundo, e foi um choque de realidade, onde percebi que ao ser egoísta por uma quantia maior de remuneração, que diga-se de passagem não ser tão extraordinária assim, estaria traindo a minha categoria de praças. Ao chegar para assumir o serviço conversei com meus companheiros de guarnição e resolvemos informar ao nosso comandante de pelotão que não estávamos mais dispostos a sair às ruas e enfraquecer o movimento dos verdadeiros HEROIS da PM, que mesmo sem condições de estrutura e sem maior salário mantém a sociedade da Bahia protegida, informando também ao meu superior que não gostaríamos de ser lembrados pelo resto dos dias como traidores tanto pelos nossos irmãos de farda como pelos nossos familiares.
Essa decisão certamente custará nossa permanência na unidade na qual ingressei por querer realmente ter um papel especial na sociedade, e não somente pelo dinheiro extra como alguns colegas que lá estão. Esse sentimento de traidor não levarei pelo resto de minha vida, pois independentemente do valor econômico que represente trabalhar nesta CIPE, o valor moral que isso representa para mim não tem dinheiro que pague, pois quero continuar sendo um HEROI para meu filho e família, que são aqueles por quem sempre busquei proporcionar melhor condição de vida.
Assim queria dizer que me junto aos companheiros chamados Dorlis, e conclamo aos demais colegas das CIPES da Bahia e colegas de outras unidades que ainda não aderiram ao movimento a refletirem se querem levar pelo resto de suas vidas a macula de traidores para as pessoas mais importantes de nossas vidas." 
  http://bizudepraca.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga por e-mail