Google tradutor

Ricardo Eletro

Ossadas de possíveis animais pré-históricos são encontradas na BA

Material foi localizado em rio seco da cidade de Lagoa Escura.
Paleontóloga acredita que animais viveram na época da Mega Fauna.

baianos encontram ossada pré-histórica (Foto: Calila Notícias/Divulgação)
Moradores acham ossos de possíveis animais pré-históricos. (Foto: Calila Notícias/Divulgação)
Moradores de um distrito do município de Santaluz, a 258 km de Salvador, encontraram na quarta-feira (5), uma grande ossada que pode ser de animais pré-históricos. De acordo com informações da diretora do Museu Geológico da Bahia, Morgana Drefahl, os ossos podem pertencer a animais da época da Mega Fauna, que habitou a Bahia no período de 10 a 20 mil anos atrás. Através das fotografias, ela acredita que os ossos podem ser de um cavalo fóssil e de uma preguiça gigante.

Ainda de acordo com a diretora, o instituto está em contato com a comunidade que encontrou os ossos para que o material encontrado não seja retirado de forma errada. "O ideal é que esse material seja retirado por um paleontólogo, porque procedimentos precisam ser feitos. Precisamos entrar em contato com o dono da área, para saber se podemos retirar os ossos. Soubemos dessa ossada na noite da quarta-feira e estamos em contato com a comunidade para identificarmos o material", explicou a geóloga.
baianos encontram ossada pré-histórica (Foto: Calila Notícias/Divulgação)
De acordo com paleontóloga, ossos podem ser de animais do período da Mega Fauna. (Foto: Calila Notícias/Divulgação)
Ela explicou ainda que durante uma escavação correta, o paleontólogo pode encontrar outras coisas interessantes, que, quando vista por leigos, pode passar despercebido. "As pessoas quando encontram não devem retirar os ossos, porque quando se tira, se perde muita informação geológica. Precisamos de informações do solo, que são importantes, já que o solo pode nos ajudar a entender como aquele animal foi parar ali. Tiramos informações dos ossos e do sedimento ao redor dele", explica. G1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga por e-mail