Google tradutor

Ricardo Eletro

Despendurando as tradições da Micareta aos arraiás

Pela vigésima segunda vez, a comunidade de Cachoeira Grande demonstra o que todo o jacobinense já sabe e os gestores fingem que não querem saber; o município é, tradicionalmente, adepto às festas juninas. Mas, assim como acontece com outros setores, a área de entretenimento não recebe a atenção e investimento que merece.
Os recursos destinados para eventos culturais públicos no município são pífios, para não dizer vergonhosos. As festas populares estão a cada ano se exaurindo e nada, nenhum movimento tem acontecido para mudar tal despautério. Não fosse o amor, o comprometimento com a causa e o sentimento de pertencimento daqueles que insistem em manter, muitas vezes com recursos próprios, várias tradições culturais já estavam fazendo companhia a outras que jazem ou que existem apenas em textos históricos e na oralidade dos poucos que tiveram o privilégio de viver o momento.
A então nacionalmente conhecida, prestigiada, disputada e famosa Micareta de Jacobina virou “moeda eleitoral”, tem acontecido somente quando é necessário um “oxigênio político” para o gestor em queda de popularidade, acontecendo geralmente em ano de eleição.
A ecumênica, histórica e confraterna Festa da Missão, vixe, nem se fala. Foi acabando, acabando, até cair no esquecimento. O evento que reunia famílias na última semana do ano, com diversos acontecimentos culturais como o concorrido show de calouros, o Bumba meu boi e outros é mais uma vítima da insensibilidade cultural do Executivo.
Mas, voltando aos festejos juninos, destaca-se a persistência dos organizadores de “arraiás “ em diversos locais do município que peregrinam para levantar recursos para realizarem suas festas. Entre esses eventos e de verdadeiros guerreiros, está o Arraiá Pindura Saia, que acontece ininterruptamente há 22 anos, na localidade de Cachoeira Grande.
Com porte de festa principal de município de pequeno porte, o Arraiá Pindura Saia de Cachoeira Grande, realizado geralmente na segunda semana do mês de julho, é um exemplo de que a vontade e o esforço dos moradores e amigos da comunidade são os únicos e principais requisitos que ainda mantém viva a tradição do que é considerado um dos maiores e mais importantes eventos do calendário de festas regional.
Arraiá da Jacobina II, Arraiá da Jacobina III, Arraiá do Mutirão, Arraiá Pindura Saia, Arraiá do Jenipapo, Arraiá da Vila Feliz, Forró do Suporte, Forró da Uneb, Forró da Marçonaria ...
Viva Santo Antonio, Viva São Pedro, Viva São João, Viva o forró!
Viva o povo!
“Pessimismo é quando a gente perde a capacidade de ver em cores”.

Gervásio Lima é jornalista e historiador

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga por e-mail