Google tradutor

Ricardo Eletro

JACOBINA: AGRESSÕES EM ESCOLAS VÃO PARAR NA DELEGACIA



O aumento da violência, da indisciplina e dos conflitos interpessoais nas escolas tem sido
percebidos por muitos educadores, alunos e pais, sendo tema recorrente na mídia e em
momentos de reuniões de estudo coletivo e de formação de professores.
 Indisciplina, violência, ofensas, desrespeito são comportamentos presentes nas
queixas da maioria dos professores de escolas públicas e privadas do Brasil.
A crescente desestruturação familiar torna cada vez mais frágil o conceito de limite, ética e responsabilidade social. Como uma resposta natural a toda esta fragilidade a criança apresenta dificuldades de relacionamento, e como resultado, a violência aflora cada vez mais cedo nos alunos.

São muitos os casos recentes divulgados pela mídia em que percebemos a
dificuldade de a equipe escolar em lidar com tais situações conflituosas e auxiliar os alunos a
desenvolver formas mais eficazes e cooperativas de lidar com as desavenças. Pra piorar, a atitude de alguns pais dificultam ainda mais a construção da autonomia e da formação de personalidades mais éticas. O resultado do somatório destes fatores são crianças cada vez mais indisciplinadas, professores estressados e assustados e um ambiente escolar cada vez mais inseguro.

Bahia AconteceRecentemente a morte de uma adolescente na porta da escola depois de uma briga por causa de um perfume chamou a atenção de todo o país. E Jacobina não foge deste contesto. Nesta terça dois casos envolvendo alunos da rede pública foram parar na delegacia local. O primeiro foi da diretora da Escola João Belo, no bairro do Mutirão. A mãe de uma aluna, revoltada com a a diretora que aplicou uma advertência em sua filha, adentrou o ambiente escolar e agrediu verbal e fisicamente a  educadora. " O pai da garota esteve na escola antes e eu expliquei o que aconteceu a ele , que compreendeu sem problemas, mas a mãe , mais tarde, chegou na escola perto do meio dia e partiu pra cima de mim  na frente dos alunos que aguardavam o ônibus escolar. Os meninos ficaram assustados com a cena deprimente", relatou a professora que pediu para não citar seu nome na matéria.

O segundo caso envolveu quatro adolescentes estudantes do Colégio Felicidade de Jesus Magalhães. As irmãs  ESR de 15, e ESR , de 17 anos, relataram que foram agredidas por duas outras adolescentes que estudam no colégio no turno da tarde. " Estáva-mos esperando o ônibus escolar pata voltar pra casa, no Genipapo de Miguem Calmon, quando elas chegaram e disseram, "fulana" mandou dar uma surra em vocês duas, e começaram a nos bater. " Algumas pessoas que viram a cena acionaram a PM , que esteve no local mas não encontraram mais as agressoras. Os policiais levaram as irmãs agredidas até a delegacia onde o boletim foi registrado. A mãe das meninas, Rosana Pereira da Silva Reis, esteve na delegacia para acompanhar as filhas .

Nos dois casos que acompanhamos fica evidente a banalidade da violência o âmbito escolar. Diante de relatos como estes fica a pergunta no ar, pra onde caminha o futuro da nação?



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga por e-mail