Google tradutor

Ricardo Eletro

Disfarce de manifestante vira esconderijo de bandido

Gervásio Lima- Jornalista
É no mínimo estranho o comportamento arredio dos disfarçados de manifestantes durante protestos articulados através de redes sociais da internet. Sem um foco definido, muitos se deslocam aos locais combinados sem saber se quer o motivo que estão os levando ali. Garantem que o objetivo são as lutas pelas melhorias de serviços essenciais como educação e saúde, de prioridades como o acesso ao trabalho e renda, pelas necessárias intervenções em infraestrutura e a condenável corrupção.

Mais que louváveis e aprazíveis tais levantes, quando o objetivo é chamar atenção para algo que está incomodando ou prejudicando os cidadãos e cidadãs brasileiras. Mas, utilizar os problemas como subterfúgio para cometer todos os tipos de crimes imagináveis contra quem não tem culpa é inaceitável.

Destruir patrimônios públicos e privados, saquear, assaltar e até mesmo matar seres humanos, como aconteceu com o cinegrafista da TV Bandeirante, Santiago Andrade, morto após ser atingido por um rojão quando trabalhava fazendo a cobertura de um violento protesto no centro da cidade do Rio de Janeiro, no dia 6 de fevereiro, é inaceitável.

O que mais impressiona é a forma como são anunciados os protestos pelas emissoras de rádio e televisão. Para quem apenas assiste ou ouve de camarote, sem conhecer e ver, sem cortes e sem edições, os protestos não percebem as atrocidades cometidas por uma cambada de verdadeiros rebeldes sem causa, que vão as ruas com a intenção, não de chamar a atenção, mas de se deliciar em cometer abusos sociais, praticando vandalismo.

Uma mídia responsável pode abordar os fatos sem a necessidade do perigoso sensacionalismo. Ao noticiar um acontecimento, dependendo da forma que seja apresentado, deve se observar os possíveis efeitos que poderão ocorrer. Nem sempre o alvo que se pensa que irá atingir é o único a ser atingido.
O Brasil irá sediar o maior campeonato de futebol do mundo, um dos maiores eventos de todo o planeta. Cidadãos e cidadãs de diversos países estarão visitando o literalmente, durante a Copa, o país do futebol. É mais que necessário mostrar as boas e elogiáveis características ordeiras e educadas dos brasileiros e brasileiras para os visitantes.

Não justifica melar um evento tão importante praticando vandalismo com a desculpa de que se está buscando um país melhor. Os que praticam e os que insultam atos e comportamentos antissociais estão cometendo crimes iguais ou piores daqueles que se dizem justificar os protestos como a corrupção.

No Brasil, nos últimos 30 anos, ocorreram dois grandes movimentos populares, o Diretas Já, que em 1983 e 1984 pedia eleições diretas no Brasil, e o dos ‘caras-pintadas’, que mobilizou os estudantes no decorrer de 1992 pelo impeachment do então presidente Fernando Collor. Quando os caras-pintadas tomaram as ruas não usaram violência para tirar um presidente do poder. Nem mesmo as manifestações das Diretas ficaram marcadas pela violência.

A baderna não pode vencer a batalha contra a normalidade, a paz e a ordem social.
Que venha o hexa. Brasil!!!
Por: Gervásio Lima- Jornalista/Historiador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga por e-mail