Google tradutor

Ricardo Eletro

Justiça proíbe uso de imagem de Eduardo Campos em campanhas de adversários

Tércio Amaral

A imagem do ex-governador e candidato à Presidência da República Eduardo Campos (PSB) é alvo de disputa na Justiça Eleitoral. Na manhã desta quarta-feira (20), o desembargador do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE) Alfredo Hermes acatou o pedido da família do socialista, morto num acidente de avião na última quarta-feira (13), impedindo que outros candidatos que não sejam da Frente Popular utilizem a imagem do político.

Nesta quarta-feira (20), por exemplo, o guia do candidato e senador licenciado Armando Monteiro Neto (PTB), adversário da Frente Popular, dedicou boa parte do tempo em homenagem ao ex-governador. O trabalhista utilizou imagens de Campos com Armando e o candidato ao Senado e deputado federal João Paulo (PT) na época em que eram aliados. A proibição, no entanto, não pôde ser decretada a tempo da exibição do material de hoje.
Saiba mais... Eduardo Campos selecionou pilotos pessoalmente Marina Silva critica exploração da morte de Eduardo Campos por rivais Guias trazem homenagens a Eduardo Campos Renata Campos é esperada em caminhada de Paulo Câmara no Centro do Recife Missa de sétimo dia de Eduardo Campos é acompanhada por 2 mil pessoas Câmeras de prédio em construção registraram queda de avião em Santos Armando Monteiro Neto retira imagens de Eduardo Campos do guia eleitoral Câmara e Armando mostram ligação com Eduardo no primeiro guia eleitoral

“Num momento que todos compartilhamos essa perda, a inspiração para dar continuidade a obra de Eduardo é uma missão que não estava prevista dessa maneira. Sua ausência representa mais um desafio. Esta, certamente, será a melhor forma de reverenciar o homem, o líder de um grande governo”, afirmou Armando nesta quarta-feira (20) em sua propaganda eleitoral.

A batalha jurídica começou ainda em vida. Antes de falecer, o próprio Eduardo Campos entrou com uma ação no TRE-PE pedindo que sua imagem não fosse utilizada em outros palanques. A estratégia era que apenas o ex-secretário da Fazenda e candidato ao governo de Pernambuco Paulo Câmara, também do PSB, tivesse a “exclusividade” da associação ao padrinho político. Na última segunda-feira (18), o desembargador eleitoral José Ivo de Paula Guimarães, rejeitou o pedido de exclusividade pedido pela família de Eduardo Campos.

A assessoria jurídica de Armando Monteiro Neto (PTB), que foi eleito senador com apoio de Eduardo Campos em 2010, declarou que vai entrar com recurso ainda hoje contra a decisão desta quarta-feira (20). O advogado Walber Agra chegou a nomear a proibição como “censura prévia” em Pernambuco. “Tudo agora tem censura prévia. Vocês viram algum acinte à memória do ex-governador? Inclusive, Armando falou de alguns caminhos divergentes. Espero que a decisão não seja mantida pelo Pleno do Tribunal”, disse, ao Diário, por telefone. Diário de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga por e-mail